domingo, 30 de novembro de 2008

Chuva!

Ontem, ouvi o resoar forte dos trovões, o resplendor dos relâmpagos. Caros amigos, a chuva em minha terra parece ser mais bonita. Os pingos tecem sinfonias, tamborilando nas telhas do meu sobrado. Tudo se torna muinto mais lírico quando chove. A noite enche-se de um certo mistério.De certa mágica, que me faz dormir como qunado era apenas um menino, com medo da incerteza das chuvas...

sábado, 29 de novembro de 2008

VERDADES




VERDADES

Gosto de tudo que não conheço:

Das cores que não sei
Das fotos que não ví
Dos livros que nunca lí

Das coisas que não sei
Dos versos que nunca escrevi...

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

MEU QUARTO

Entre folhas que insistem em minha janela,
e as de papel dançando sobre a mesa



Em meu quarto,
de paredes
imaginárias, esquecidas
incidem sombras inquietas
cantos enegrecidos
réstias de luz azul...

Em meu quarto,
onde os livros se irmanam
na quietude da estante,
invadem raios de um sol
sem precedentes,
sem promessas



só o pó,
ocultanto os cismos...

Em meu quarto,
de paredes, esquecidas,
um mundo, escrito em mim mesmo...

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Amigos, caros amigos

MESTRADO: ARREMEDO POÉTICO


P/ Thiago Lins e Paulo André.



Cena I

As luzes se apagam...

Somos feras, e, morremos de
Véspera.

Somos como a vela, decrépta
e sua chama que vacila

Cena II

As luzes ainda apagadas...


Somos feras, velas de
Chamas indecisas.

Somos chamas, tremulantes,
sobre o vento que crepita

Más amigos, Drummond nos havia advertido:

“ No meio do caminho tinha uma pedra,
Tinha uma pedra no meio do caminho...”


O vento sopra, ascendem-se as luzes
E:
A pedra, no meio do caminho.
Jaula e labirinto.

Fecham-se as cortinas. Acendem -se as luzes

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Infindável

As finas formas
flores invisíveis
de
frêmitos famintos,
femininos

Asas falenas,
falam de silêncios
fixam poeira
trazem esquecimento,
imprevistos

trazem
o que não mais importa

inevitáveis:
são as ondas que beijam a praia
quando o sol
se esconde infinito ...

sábado, 22 de novembro de 2008

Presente de natal:


Saiu da loja de alma lavada.
Um mar de sapatos de grife.
Saias e blusas transadas.
Maquiagem antialérgica e contra raios UV.
Algumas uvas, importadas é claro.
Algumas revistas americanas, mesmo, desconhecendo vírgulas em inglês.


E o cartão do amante, ardendo no inferno particular das contas não pagas...



quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ruminando James Joyce

















"A humanidade é um vasto jardim, com suas flores de hastes decepadas"


G.Rios.


LABIRINTO


Tanger as labaredas
e
vagar por
este vasto jardim.

Degladiando o imenso
labirinto...

E suas humanas flores
de hastes decepadas.

IMAGEm :http://www.flickr.com/photos/aneaguirre/392936990/

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Só o balanço do mar.

Tô aqui. Sem ter o que fazer. Detido nesta infinidade de altura. Sete andares. É ruim aqui em cima sem livros , ou gado. Gosto do chão, pés descalços, os seixos nos pés. As poeirinhas do caminho, pó da vereda.
Só me resta a janela, fico aqui quieto, feito alguém que assiste a um filme monótono, sem sentido.
Pensado em quando vou ver o terreiro da tapera...
P.S. Não haverá imagens, nem mesmo uma foto consolatória...

sábado, 15 de novembro de 2008

Mais um... de Georgio Rios



EU CELEBRO a mim mesmo, /E o que eu assumo você vai assumir, /Pois cada átomo que pertence a mim pertence a /[você...


...Sou o poeta do corpo, /E sou o poeta da alma.


Walt Whitman



POEMA SOBRE AS FOLHAS DA RELVA

Descubro, deitado sobre relva,
o pouco que conheço dos homens,
[ meus semelhantes,

com quem compartilho de infinita inutilidade,
[e sábia ignorância.

Os erros e falhas...

Da minha tardia infância, do meu colérico
[ silêncio ...

Tangendo...

o verdor que me cerca: a pergunta da criança.
[ sábia profeta.

Que brinca.

Entre vigília, e sobriedade, a escolha,
[incerta, inseta...

Vagante.

Lume que irmana cada átomo, cada vago pensamento de
[fera.

Que nos encerra, nesta mesma jaula, nesta vaga calma,
[nesta mesma esfera ...

Que as folhas cresçam sobre mim.
que os galhos avancem sem pretensão de paradas...






Sáiba mais sobre esta foto em : http://www.flickr.com/photos/barbarareis/2069102436/



quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Cinema...



Correr, dentro duma roda de pneu. A infância girando. Girando...
Vento de lembranças corre e eriça cabelos longínquos. A voz que entoa a ciranda esquecida. Escondida dentro do largo peito. Não há medo nestes ermos. Não há privação de lembranças. E,uma música embala sonhos de um ser qualquer. Ser, que se forma, que se esforça pra lembrar de si. Dos outros. E como num álbum de velhas e gastas fotografias delinear arroubos, de um certo,e pouco visto, encontro marcado...


Haveremos de lembrar um dia. E cada gota da chuva servirá de cena, neste mesmo filme que insistimos em ver. Tocar em frente, entre expectação silenciosa e papeis principais...


Apagam-se as luzes. Passos vagos em direção da porta.


imagem: http://www.flickr.com/photos/kathiao/2473841934/



quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Estação

















O mar, o mar, o mar
distante.


E o céu, sem véu, sem seu
instante.

O mar, o mar o mar...
Sextante.

Ó mar perene, e vasto
que inunda
o céu, azul,

e as casas, todas
que não habitei...

imagem : www.flirck.com

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

CONVERSAS

Hoje, um dia
que desperta.

Aperto o cinto, e sinto,
sem pressa
e passo em cada dia.

Aparto as pedras, e sigo,
sem esta tal
certeza que me cerca.

Hoje, um dia
que me aperta,
aparto,
no instante em que
te vejo,
FOTOGRAFIA



Imagem retirada do site: www.flickr.com








sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Cisma!!!





O futuro me encanta, e, me faz, de certa forma ser menino.
Sua impressão, imprecisa, me faz acreditar em sonhos e outras rebeldias de jovem. Por isso gosto do que acho em livros, filmes e pelas ruas onde ando.

O futuro, meu tão próximo passado, será construído assim, Os amigos, minha mulher, algumas travessuras literárias e um por do sol que eu tenho em frete da minha casa.Uns pássaros e meu saxofone também.

O resto; de resto, construirei, ou verei se fazer, quando necessário.Pelo Acaso...

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Hoje, outro dia.

Senhoras e senhores, Barack Obama é presidente dos E.U.A. EU devo R$ 173,98 do cartão de crédito( compras em sua maioria de livros). Sei que ele lia Bukowisk e Hemingway antes de Harward. Espero que eu continue lendo e escrevendo. E que a economia mundial possa respirar aliviada. E que os livros possam ficar mais baratos. E... Deixa pra lá.

Welcome to White Hause Mrs. Barack Obama

sábado, 1 de novembro de 2008

DE TARDE


As formas,
tortas
e
tantas
estendidas no arame
quarando,
coração e vento
enxugando,
expostos,
diante

da distante amendoeira
em flor,
em fogo verde que
viça,
em cada instante,
que nem foto,
foco

invadindo,
silenciosa,
a ligeira
imensidão
da
janela,
pairando,
pairando,
na superfície
imóvel da retina