sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

ENÍGMA

Há o olho que nos olha
nos enxerga

Há o olho particular
olho de óculos
que nos olha como
oráculo

Amálgama
orando, de olhos fechados
abre-nos, certo infinito...

3 comentários:

  1. e há, ainda, os olhos que nos olham mas, por diversas razões, não nos veem.

    mais um belo poema!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Muito bom.
    Um pouco assustador para mim, hoje.

    ResponderExcluir

  3. georgio, às vezes penso comigo:
    "será que quando eu digo que gosto de um poema, as pessoas sabem de fato eu não estou apenas sendo educada ou só marcando presença nos blogs que leio?"

    não sei da resposta, e vc nem precisa responder a isso.

    eu amo o que vc escreve!!

    ResponderExcluir