segunda-feira, 1 de dezembro de 2008


Os rebanhos esperam a trovoada chover
Num tem nada não tembém no meu coração
Vô ter relampo e trovãoMinh'alma vai florescer
Quando a amada a esperada trovoada chegá
Iantes da quadra as marrã vão tê
Sei qui inda vô vê marrã parí sem querer
Amanhã no amanhecer
Tardã mais sei qui vô ter...
(Elomar)



TROVOADA


Meu campo branco,
caatinga,
chão que me cerca
terra,
minha terra...

A salvação,
vem do som do trovão.

A luz dos relâmpagos
alumiam os caminhos,
os ermos
e a chuva
faz a terra ferver e
brotar
verde

A terra rí, e dança em meus versos...



Foto: www.flirck.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário