quarta-feira, 21 de janeiro de 2009


PALAVRA

Dentro,
bem dentro dos olhos
já sem névoas
sem culpas
sem Às de copas.
nem mesmo um baralho

Cartas na mesa
Na mesma sorte
esquecida
vestígios de certa
poeira

restos de espelho,
réplicas
e respostas
sobrepostas

E as telhas, inquietas
olhando, em silêncio
minha inquietação
secular.

2 comentários:

  1. A inquietação que nunca cala... parece até inconsciente coletivo.
    muito bom!

    ResponderExcluir

  2. ai, ai, ai...

    e eu demorei a vir aqui!
    (desculpa, é que ando cansada e preguiçosa mesmo! rs)

    "E as telhas, inquietas
    olhando, em silêncio
    minha inquietação
    secular."


    embora aqui não tenha telhas aparentes eu sinto mesmo com esse teto onipresente.

    adorei, georgio!

    beijos

    ResponderExcluir