sábado, 28 de fevereiro de 2009

Ultimatum


ultima vela
acesa
ultimo halo

o declínio de certas estrelas
de embaraçosa estética

entre o caminho
e os sonhos, uma pequenina
porta


O pórtico espectral
de alguma cena


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Espólio

Oléo,
olé, olha quem está em volta
voltar pra casa
cair na chuva
esgotar as risadas
rir sem remédio
e do tédio
fazer uma escada
e de cada planta
um planeta escondido
esconder os olhos
com as mãos
e de mãos dadas
romper mais uma página...


Pra matar o tempo...

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

IDÍLIO II


Onde se lê Verdade
leiam veredas


E os versos se esfacelem
ao vento
e as portas se abram em
silêncio
e que o silêncio inunde
os olhos
e que os olhos
vejam o rumo
e que o rumo
sem rumo
nos oriente
e que o oriente

Sem aparências tardias
entregue o que de nada
nada nos sirva
e sirvamos nada
aos que nada pensam
aos que nada querem
aos que pouco importam
aos poemas,
estas máquinas
estratosféricas
de fazer sonhar
sejam
sempre e
ponto final...


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

CINEMA.


PARA Olney São Paulo, in memmorian



Observando, olhando mesmo
de longe
de longe, a imagem
a vasta imagem que vejo
me comporta e me esconde


As janelas celulóides
os quadros


Esta linha,
linha de encontros,
esconsos


linha divisória
corda de corar cordeis,
luzeiros
de candeeiro
as chamas
secretas, sertanejas
bramindo, nesta manhã cinzenta


Pulando quadro a quadro
na tela secreta
na teleológica
cena
nas teias
nas teimas
nestas portas
portais do Sertão



P.S:pensei em escrever um texto em prosa hoje,más, mais uma vez este filme-poema saltou na tela dos meu olhos e eu escrevi... Estou me deixando levar por esta onda poética até não sei quando.Mais tá bom assim.



domingo, 15 de fevereiro de 2009

Desconstuindo um pouco!!!


ARQUITETURA

Desenhar as linhas
Líneas, desdenhá-las
Arrancar do papel seu traços
Destroçá-las

Fazer-se tez alguma vez
Fazer-se tino

Fazer-se tímpano
E desfazer-se

Construir exige eximia destruição
Fazer surgir
dos destroços

fazer surgir o belo.

Fazer-se
Fazer-se enfim
Contrariando as lógicas
Contaminando as estranhas leis
Invisíveis...


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Sem título III




É que estamos aqui, eu, meus versos

algumas páginas lidas

alguns caminhos traçados

algumas traças


A amálgama de uma vida

e eu sou alguma partícula de você

que me lê

que se lê

nas linhas que escrevo.


E somos células, deste Todo

destas fotos, que olhamos

destes sons que ouvimos

das palavras que falamos.


Somos, e é o bastante

incompletos,

plantados aqui

no mundo

nas páginas

em meu filme secreto

em algum lugar

que nós caíba sem as sombras

do mito

sem as sobras

que esquecemos de

esconder...



quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

SENTIDOS


Abrir a torneira
Deixar cair o liquido
Deixar cair os óculos
Alguns ecos

Atentar a certas letras pousando sobre
Tortas linhas que plantei

“pequenos enigmas estirados”

O poema se explica se escondendo
Secreto é seu termo]

Também me explico como o poema
Também me deixo esvair pelo ralo
Como a água que lava meu rosto
De versos.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

HAIKAIS




Sem asas a

suave borboleta

serpenteia, feia lagarta



O vento lento

varre a calçada

levando a poeira e o sol



Noite escura

em alegre sinfonia

grilos em coro



As águas, claras

serpenteiam

desmanchando o espelho


domingo, 8 de fevereiro de 2009

HUmmm!!!! Hoje e´dia 8

Despertar
cheirar o dia assuntado
o soar baixinho de alguma coisa
secreta e caminhante
que em nós faz morada

Lavar o olhos
e levar na água
um pouco do sol
da luz
do dia
e navegar
num rumo preciso
precioso

Sem se preocupar com
destinos ou paradas....

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Matutando sobre o Sertão



Pois
o Sertão é isso:
uma vasta estrada que sai cá de dentro
e arruma num sem fim de veredas
um não sei quanto de caminhos

E é nada e tudo
Saltando dos olhos
De dentro do dentro

Pra sumir e aparecer de novo
em todo lugar

Suspeito que o Sertão seja
eu e todo mundo junto
dentro das linhas desta mesma história...

IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/14462113@N05/3246022837/

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Uma homenagem !!!

VESTIGIOS
P/ Renata Belmonte
Arranquem os trincos
das portas
Arranquem as próprias
portas dos batentes

Walt Whitman






Arrancar as portas
adentrar os caminhos, as veredas
As portas, deixar pra trás
Esquece-las

As malas encontrarei pelo caminho
Já não preciso
de passagens, bilhetes
vistos ou passaportes

Pois as portas estão abertas
E de mim têm só vestígios
Lembranças

Até minha sombra é apenas um momento
De que me lembro um pouco

Há tantas portas, e
Sem dúvidas uma resposta
Que me reporta ao que não pode ser...

P.S, Estou utilizando uma imagem que já postei aqui, mais que é uma imagem muito significativa para mim.



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Passarinho, passando!!!

VENTO


Ainda não aprendi a inventar o vento
sei voar em silêncio
as asas me crescem
quando menos preciso

Sei ser este pássaro secreto
que rasga os ares

E olhar o chão sem desprezo
sem o medo

Sei
apenas correr como o tempo
que não para, nem pretende
parar...

domingo, 1 de fevereiro de 2009

A estrada da vida (Federico Fellini)





Dentro de nós tudo é volátil. Até mesmo as duras perdas que plantamos cá dentro, muito fundo. Os livros nos emprestam folhas para que o domingo não passe em vão.
Corrigir alguns textos, esboçar poemas e rever velhas fotos... Velhos e novos rostos...

Domingo que vem é meu aniversário. Comprarei uns livros para me presentear. Sairei com minha esposa, comeremos fora. E esperarei com paciência o novo dia, para que a contagem recomece...

Neste ínterim lembro dos amigos, dos de perto, e dos de longe. Os amigos. Que sempre estão revolvendo as pedras dentro de cada amigo que os guarda.

Mais sobre a imagem:http://www.flickr.com/photos/desconhecido/353524982/