sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Matutando sobre o Sertão



Pois
o Sertão é isso:
uma vasta estrada que sai cá de dentro
e arruma num sem fim de veredas
um não sei quanto de caminhos

E é nada e tudo
Saltando dos olhos
De dentro do dentro

Pra sumir e aparecer de novo
em todo lugar

Suspeito que o Sertão seja
eu e todo mundo junto
dentro das linhas desta mesma história...

IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/14462113@N05/3246022837/

7 comentários:

  1. Suspeito que o sertão seja um poema...

    ResponderExcluir
  2. O sertão somos nós e são nós. O sertão ainda não virou mar e já não tenho certeza disso e daquilo...outro.

    belo poema.

    ResponderExcluir
  3. Já eu tenho certeza que Sertão é um poema, e um poema lndissimo.

    Parabéns!!!

    espero tb sua visitinha básica

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema. Gostei da idéia do sertão saltando "dos olhos de dentro do dentro e reaparecendo em todo lugar."
    Parabéns!

    ResponderExcluir

  5. lindo!!!!

    eu nem escrevi ainda (hoje) o quanto adoro ler vc, né?

    eu adoro ler vc!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu, passarinho do Vento Nordeste, entranhado nas caatingas do Sertão, que matuto as tardes no balanço de uma rede, encontro nas tuas considerações uma expressão inaugural do Sertão. Poesia pra mim é assim, não fica presa por cabresto nenhum, vai dizendo as coisas e elas vão se originando de dentro do tudo de todos. Poesia não fica presa pelo bridão das teorias, poesia é um alazão disparado no Cosmo. Tu, Georgio, vate de Jacuípe e dos Brasis, me disseste tudo isso com teu poema.

    JIVM

    ResponderExcluir