segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Passarinho, passando!!!

VENTO


Ainda não aprendi a inventar o vento
sei voar em silêncio
as asas me crescem
quando menos preciso

Sei ser este pássaro secreto
que rasga os ares

E olhar o chão sem desprezo
sem o medo

Sei
apenas correr como o tempo
que não para, nem pretende
parar...

7 comentários:

  1. Por que o tempo não para, e por que deveria parar, mesmo?
    Mas ao tempo não interessa nosso movimento. Porque não fazemos o mesmo com ele??
    Tuas asas que crescem quando menos precisas estão com certeza consoantes com os ínfimos e infinitos minutos das tuas existências.
    Te levando para o próximo aniversário, para o próximo nascimento. para a próxima pequena ou grande morte.
    Essa não é a magia do coelho de Alice??

    ResponderExcluir
  2. O tempo para, quem não para é o poeta.

    Muito bom, camarada.

    ResponderExcluir
  3. Amei a harmonia das palavras do seu poema

    Agora levo um pouco de ti e deixo aqui um pouco de mim:

    http://sientoquememirandecerca.blogspot.com/    

    ResponderExcluir
  4. Amei a harmonia das palavras de seu poema.

    Levo um pouco de ti e aqui deixo um tanto de mim:
    http://sientoquememirandecerca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. O bom é que não para mesmo....aliás, desdigo...o tempo só não para para os vivos; quando morremos o tempo é outro e segue noutro aspiral! Oh tempo duro.
    Boa poesia, Georgio!

    ResponderExcluir