domingo, 19 de abril de 2009

Poema de passar o domingo.


Num sol sem angustias
esquento a pele
abro os poros
abro as portas
entro eu e o sol
seus raios
expulsando o escuro
e abrindo a casa
aos meus passos de volta
e aos passos incipientes
do domingo

há poeira nos móveis
limpados a pouco
em suas curvas
há poeira em meus olhos
cerrados pela clara imposição
do sol, seus raios
pela fuga das sombras

caminho para dentro
enquanto o domingo
desenrola sua teia sobre
as costas indecisas deste vate
sobre os ombros impacientes do dia...

IMAGEM :http://www.flickr.com/photos/dom_fernando/350605997/

Um comentário:

  1. LIndo!
    Num sol, num raio de sol... a claridade, desnudou poeirs. incomodou os olhos, talvez já cansados de tanta luz.

    Parabéns, Georgio!
    Você sempre surpreende!

    Forte abraço

    Mirse

    ResponderExcluir