quarta-feira, 17 de junho de 2009

PONTE




Sobre a velha ponte
fiz passar meus medos.

Em fila,
os tangi para o outro lado.

Um breve aceno,
uma despedida.

Pela outra
rua,
meus novos medos
chegavam...

E eu não abri a porta...


IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/rolhas/2190349705/

3 comentários:


  1. Georgio, vc escreve lindamente.
    Muito belo esse poema.

    ResponderExcluir
  2. Abra, rapaz, coragem!
    Não tem jeito. São estes os nossos únicos companheiros, de fato.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Georgio!

    Pontes e medos andam sempre juntas.

    Quando se unem ao sentimento, nasce um belo poema como este!

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir