terça-feira, 14 de julho de 2009

PARA A AMIGA DAS DELICADAS FÁBULAS ELIANA MARA CHIOSSI



PEQUENA PEÇA


Nadar na superfície líquida da página
sem nada, nenhuma fronteira que me impeça,
sem nenhuma onda que não me leve adiante,
neste naufrágio voluntário, lanço garrafas de náufrago
ao mar aberto dentro de cada inscrição, cada linha,
o espaço plano do espelho, dobras deste labirinto...

Entre estes procedimentos, sobre o vidro da janela
a projeção destes travelings, na inquietude da noite fria...


IMAGEM :http://www.flickr.com/photos/mguilherme/425721435/



2 comentários:

  1. gostei da ideia de isolamento do texto-conto

    ResponderExcluir
  2. Georgio, o dia está do avesso e há peças descordenadas. Busco, então, também náufraga, essas pequenas garrafas, feito ilhas, onde a vida faz sentido.
    E esta amizade, que se faz pelas palavras, pela poesia, pelo desejo de uma vida menos ordinária, de dar espaço para as fulgurações, é nesta porção de ilha que me abrigo.

    Bj

    ResponderExcluir