domingo, 30 de agosto de 2009

Amanhece neste domingo!!




Gosto de consumir um pedaço da noite
ruminando alguns versos, algumas
poucas imagens distorcidas e distantes.

Deixo diluir os sons

os ecos do sono,
dos grilos na casa.

Deixo diluir o peso,
das costas assentadas
sobre o colchão e a cabeça
no travesseiro

Deixo que a luz do sol entre
pelas frestas
das telhas em assombroso
silêncio

Deixo que o galo,
abra as portas do dia,
rompendo com seu canto

repleto de ecos,
o hímen da aurora...


sábado, 29 de agosto de 2009

Nilson e Maria II contagem regressiva 5...4...3...2..1...



AQUI as capas dos livros que serão lançados dia 1º de setembro. Não deixem de ir não viu!!!
Os escritores que fizeram estes livros, com certeza deixaram uma(s) boa(s) letras cheias de boa literatura para que você possa se deliciar. Quer saber mais veja AQUI

Georgio Rios

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

1º de setembro tem lançamento de Maria e Nilson.



Vocês não podem perder, para saber mais sobre esta grande festa de literatura e amizades faz um click na imagem do convite.Para saber mais clike aqui

Os livros estão lindos e ler vai ser com certeza uma delícia.

Apareçam lá, eu recomendo!!!!

Georgio Rios

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Uma semana depois


BELLE ÉPOQUE


“ver e ouvir e sentir são milagres,

como é milagre cada parte

e migalha de mim”

Walt Whitman


Carregar esta multidão de migalhas

filtrar, por olhos, poros,

tirar os óculos.


Enxugar os mesmos milagres,

a projeção destas migalhas

em pequenas fagulhas

pequenos filetes de luz.


E, se quiser me culpar por

decompor as tardes, por arrebatar os

grises que oscilam no azul.


Aceito a acusação...


E restará, enfim, a cena muda,

dos teus olhos,

a vastidão da cena,

e alguns pássaros...


IMAGEM:Google

terça-feira, 18 de agosto de 2009

SAIU NO SITE CRONÓPIOS





A ENTREVISTA QUE O JOSÉ INÁCIO REALIZOU COMIGO SAIU NO SITE DA CONÓPIOS

LINK:

http://www.cronopios.com.br/site/colunistas.asp?id=4145#texto

ACESSEM

domingo, 16 de agosto de 2009

Um pouco sobre amigos que seguem os varedos da poesia






Um dos amigos em questão é Paulo André, um cara simples. Um bom amigo, e bom conhecedor de literatura. O conheci logo que entrei na Universidade, por intermédio de outro grande amigo, o Helivan, que participava de um grupo de discussão de poesia e literatura como um todo. Mesmo sendo eu um calouro na época o grupo me aceitou. E um pouco de tempo adiante o grupo se dissolveu por questões de incompatibilidade de horário para as reuniões, Helivan foi aprovado no vestibular para história e cada um seguiu o seu rumo pelos caminhos da universidade. Porém sempre mantive contato, sobretudo com Paulo. Por vezes tínhamos aulas em salas próximas e entre uma aula e outra, trocávamos informações sobre livros, autores, poesia e afins. Daí conhecendo o Thiago Lins, um cara meio aluado, mas com sacadas que só ele pode tirar da manga feito um mágico. Bom poeta também como o Paulo. Um Cinéfilo de carteirinha. Ele que por sua vez também estava sintonizado com os assuntos, aprovou e nós resolvemos que a minha idéia de criar uma revista literária seria a partir de um blog, onde colheríamos entrevistas, contos e poemas, principalmente de escritores baianos. Durou o tempo necessário para ser uma experiência de bons resultados, que até hoje dão a nós três, muitas oportunidades e grandes amigos. Os melhores frutos estão ai citados. E amizade resultante deste processo segue até hoje. As mesmas empreitadas literárias seguem sempre, fizemos até um livro juntos. Esgotado!E é essa coisa de união, amizade que elimina as distâncias físicas entre nós. Sempre há na caixa de email um poema, um texto, uma dica de livro um convite ou um conselho.

Neste pequeno texto eu queria deixar o registro desta amizade que se multiplicou em varias outras. Abaixo deixo um poema de cada um destes valiosos amigos e poetas.

Georgio Rios, Riachão do Jacuipe-Ba 16/08/2009

A imagem acima foi feita por Nelson Magalhães Filho, para a capa do livro: Só Sobreviventes Tulle 2008


INFÂNCIA
No baú
o velho carretel
o vela
o barbante.

A pequenina estradinha desenhando nostalgias.

O carrinho roto no piso
Cinzas do velho menino.

Paulo André (In Só Sobreviventes, 2008, Tulle) Mais sobre este poeta em: http://intestinogrossoii.blogspot.com/


O MONSTRO

Um monstro de múltiplas faces
está escondido no meu armário.

Olho no espelho e não
consigo me mover

Não consigo respirar.

Anseio por um sinal
por uma resposta
por uma vibração.

Será que o monstro do armário é Ele?
Será que Ele não é a minha esperança?
Será que Ele não é a minha palavra?
Será que Ele não é a minha morte?
Será que Ele não é a minha eternidade?

Mas, diabos, como saberei
se rasgo todos os dias poemas
como esse?

O monstro do armário está
perdido entre vermes.

Eu quero escutá-lo
Eu quero vê-lo

Mas só na extremidade final do universo
o monstro que não é monstro
chega bem perto de mim.

Thiago Lins (In Só Sobreviventes, 2008, Tulle) O caro amigo ainda não possui blog.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

DEDILHADO



Retirar a casca
retirar os cacos
a reforma do barro
traz o homem que sou.

Sou da terra feito
tenho os olhos

dos pássaros
a voz das cacimbas
e das cachoeiras
das corredeiras
do mato sem fim.

Sou um pouco de tudo
e nada no mundo
dá por este ínterim

só o amanhecer
e o cair da tarde
falam sem alarde
os segredos do som...


Um poema de viola silenciosa.

No cair da tarde, em silêncio esperando o sol descer.



FOTO: Arquivo pessoal


terça-feira, 11 de agosto de 2009

Fábula



Uma velha foto
destas do tempo da era
cinza, um céu destes que abrem
qualquer domingo em preto e branco
onde um menino gira uma roda
onde o mundo, parado em estado de cena
vislumbra o pobre poeta, que hoje
padece de algumas poucas migalhas
de memória


IMAGEM:Xilogravura de J Borges

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Um poeminha...

DA JANELA

Quando menino,
tinha por quintal o mundo,
um mar verde de algarobeiras em sombra.

O barro líquido da cacimba,
em turvo espelho, lhe mostrava o céu.

Centelhas do mundo.

Entendia dos pássaros,
das folhas,
bailarinas dos ventos, estas, eram de certa companhia.

De noitinha,
bebia do luar, todas as notas, das sertanejas sinfonias.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Poeminha de viagem!!!!



Ontém,
estive entre amigos,
entre os livros e as palavas
ditas.
Risadas soltas e fraternos abraços
livros e fotos marcando as horas
e a viagem de volta feliz da vida.

Um belo encontro, o de ontém. Enconrei os velhos e bons amigos Mayrant, Cazé, Renata, Carlos e Mônica, O primo Gustavo, o Dênisson. Conheci pessoalmente a Eliana Mara, o Elieser Cesar, a Adelice Souza e outros tantos amigos e e-amigos. Fico feliz por mais esta empreitada.Vida Longa a Amizade nossa.

Foto:Arquivo pessoal

sábado, 1 de agosto de 2009

ENTREVISTA



SANGUE NOVO - GEORGIO RIOS

SANGUE NOVO é uma seção que José Inácio Vieira de Melo criou com o intuito de divulgar autores inéditos. A cada mês ele entrevista um jovem poeta, fazendo perguntas básicas, e publica três poemas de sua autoria. O primeiro é Georgio Rios.

GARRAFAS AO MAR - GEORGIO RIOS é baiano, nascido em 1981, na cidade de Riachão do Jacuípe, onde vive entre pés de algarobeiras, vendo o romper do sol e lavando os olhos nas cores das madrugadas. É graduado em Letras com espanhol pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). Publicou uma coletânea de poemas em parceria com Paulo André e Thiago Lins, Só sobreviventes (Tulle, 2008). Edita o blog Modus Operandi (http://www.georgio-rios.blogspot.com/), onde publica seus poemas. Conheça mais sobre este jovem poeta que joga seus poemas ao mar, em garrafas, na esperança de que eles cheguem às mãos do leitor.

PARA LER É SÓ CLICKAR Aqui