domingo, 18 de outubro de 2009

Dentro do domingo um poema longo e calmo.


SURPRESA


Uma única palavra

rompe

as portas do ouvido



Olvido


A tímida espécie do caos


(cães gestando cães na tarde)


A cidade é a cova rasa onde desabam

os homens

amotinados .


As montanhas mágicas,

Mann as tinha dentro dos dedos,

feito mágico

esmagando-as


As vezes


Como velhas fezes


Diante das vidraças

as moscas, máquinas zumbidas,

ralhando a voz opaca do vidro


(cães gestando cães na tarde)


Uma cidade é a exata forma

Do reflexo da cidade nas poças

nas poças inquietas de água

gotas partidas do céu, da artificiosa

trama que sustenta as nuvens

siluetas caninas na evaporante tela


Janelas


Olhos abertos dentro da trama existencial da cidade

elemento inexistente, delirante,onírico,

que paira sobre o cansaço dos olhos


Óculos


Invólucro das falsas órbitas

(cães gestando cães na tarde)


O cão é a forma do cão em estrita forma

O modo do cão, a um reflexo da janela

a forma baça do vidro,

os orifícios abertos para as nuanças do céu


A palavra


(cães gestando cães na tarde)


Cão na janela, em frente ao vidro

em estado de elucubração diante

do espelho mágico


Da montanha mágica

na superfície inóspita

e deserta da página


Cada página é um deserto

de inúmeros seres

que se escondem em metáforas


(cães gestando cães na tarde)


Uma tarde gesta outras tardes

onde cães gestarão cães na tarde



IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/mollanas/1039978645/



4 comentários:

  1. Não gosto de cães, gostei do que escreveu e me deu uma puta vontade de reler morte em veneza

    ResponderExcluir
  2. Muito bom poema. A poesia que comunica além de ser cheia de simplincidade. Gosto desse estilo
    de poesia.
    Parabéns!
    Abraços
    Chico de Assis

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso Georgio!

    Há uma comunicação intertextual a cada verso.

    Um encanto!

    Parabéns

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  4. Bom, muito bom.

    Um poema que usa as próprias imagens do poema para se desenvolver. Gosto disso, quando as idéias se ancoram nos versos anteriores.

    ResponderExcluir