domingo, 21 de março de 2010

Música e poesia



ÁRIA


Cada gota garimpa as cordas

Deste violino que a chuva toca, suave.


A mágica acontece em cada clave

Notas como chaves para abrir a noite.


As pausas deste vento, sussurrante

Eriçam a estante, as páginas, seus secretos ninhos

E no staccato dos pingos

Uma porta abre para olhar mariposas

Na lâmpada

Do poste.



A noite dorme quando chove

A noite morre quando chove

(Suspensão e fermata.)






IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/31550969@N05/3019522264/

4 comentários:

  1. muito bem, georgio. juntando música e poesia, o resultado é sempre bom.

    ResponderExcluir
  2. faz tempo que não apareço por aqui, mas continuo lendo seu blog, pelo Google Reader que é mais prático pra quem não tem tempo.
    música e poesia sempre andam juntas (e pelo menos ultimamente, nem sempre de forma tão poética) e essa andança pode tanto conduzir a risos de felicidade qnto a chuvas de lágrimas. o importante é que elas nos despertem algum tipo de reação/emoção.

    ResponderExcluir
  3. Q texto lindo! Suave como uma canção de ninar. Fiquei entre a música do violino e o barulho da chuva na noite escura. Porém sua poesia tornou-se o ponto de intersecção entre um e outro.

    Abraços

    ResponderExcluir