quarta-feira, 31 de março de 2010

Um poema bilingue de Georgio Rios



EL SONIDO DE LA PIEDRA ( español)


Quiero abrir las puertas de las piedras

Y asentar en las piedras impresas,

Experimentar el viento


Del desierto de la senda

Engendrar los pájaros y sus pieles,

Mover la música, tocar los muslos de la música,

Oír el sonido

Del árbol que hace sombra a la puerta de la casa


Cuantas sombras deambulan en el patio de la casa, mira!


Hay una infancia en la apertura del día,

Este día que huye hecho rio.


Restra un lamento solitario en el derribar de la tarde,

Y el vuelo de los pájaros, en la línea que separa la tarde,

Del abrir negro de al noche en cayendo llegada.



O SOM DA PEDRA ( portugês)


Quero abrir as porteiras das pedras

E assentar nas pedras impressas,

Experimentar o vento


Da imensidão da senda

Engendrar os pássaros e suas peles,

Mover a música, tocar os músculos da música,

Ouvir o som

Da árvore que sombreia a porta de casa


Quantas sombras vagueiam no terreiro da casa, espia!


Há uma infância na abertura do dia,

Este dia que foge feito rio.


Resta um aboio solitário no varar da tarde,

E o vôo dos pássaros, na linha que separa a tarde,

Do abrir negro da noite em desabando chegada.


IMAGEM:http://www.flickr.com/photos/marimagno/3251404765/



Comentários e observações, sobretudo na tradução serão sempre bem vindas!!!

4 comentários:

  1. Ficou ótimo em espanhol, talvez tenha ganhado em melodia.

    ResponderExcluir
  2. o som da pedra nos cascos da tarde, as ranhuras do vento na pele que arde e tudo é transitório como a palavra que pasce. abraço

    ResponderExcluir
  3. Lindo!
    Prefiro a versão em espanhol, confesso.
    bj

    ResponderExcluir
  4. Ficou mais melodiosa em espanhol, de fato - embora não fale, dá pra sentir!

    ResponderExcluir