sexta-feira, 28 de maio de 2010

POEMA_OLHO_VERSO



LITANIA

“Aquele animalzinho indefinido, achado
na estrada acidentada do sonho,
te molesta” Wladimir Cazé


Se são felizes, eu não sei, os pássaros,

Apenas comparo seu canto, ao lamento.


Na arquitetura fria das gaiolas,

Não sei se cantam por esmola,

Ao distrair, com magia,

A fria paz dos seus algozes.


Os trinados, seus, soam como passos,

Ecoando firmes, nas grades da gaiola,

Enquanto a tarde sem demora

Compensa-lhes com sua luz de gritos.


Notas, do suave violino,

E as arfantes arcadas, entoando o surdo

Hino,

Canto fino, a liberdade que espera.


IMAGEM:www.flirck.com

6 comentários:

  1. Que bonito: "Na arquitetura fria das gaiolas,

    Não sei se cantam por esmola,

    Ao distrair, com magia,

    A fria paz dos seus algozes".

    ResponderExcluir
  2. ...a liberdade que espera e recorda.

    Mais um belo meu poema meu caro.



    abraço;
    Fabrício

    ResponderExcluir
  3. "Os trinados, seus, soam como passos"
    quanta solidão por aqui neste poema e especial nestes versos

    ResponderExcluir
  4. Registro minha falta de palavras diante da tristeza do pássaro e da beleza da poesia.

    Perfeita!


    bjs

    ResponderExcluir
  5. Também me afligem as gaiolas, mas a forma como o expressas é de grande beleza poética

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso, Georgio!

    Sempre é um canto, mesmo que por esmola.

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir