quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Poema.IN lux



MENSAGEM
Eu sou 
a poeira nua
que pousa em meus ossos

E aquela foto que aos poucos
se apaga
e gasta
teus olhos, fixos

E ainda,
sou a sombra
que desce atrás da porta,
e que visita
as páginas fechadas
dum  livro,
esquecido, onde escrevemos
em silêncio

sou o pássaro imaginário
que se abra na oposição
das páginas expostas.



7 comentários:

  1. Bela poesia, amigo Georgio, como você sabe fazer. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom poema meu caro.

    Trata-se do tempo? Ao menos, foi a minha impressão.


    abs

    ResponderExcluir
  3. grande irmão georgio
    poema com mensagens subliminares
    portas que nos reportam a uma mensagem muda que diz tudo

    ¡hasta!

    ResponderExcluir
  4. Brilhante, Georgio!

    Ser sombra que visita as páginas fechadas de um livro, me deixou fascinada.

    Acho que quero ser isto.

    Um abração, poeta!

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Ótimas metáforas para o eu poético em sua própria definição: "Sou..."

    ResponderExcluir
  6. ...pássaro imaginário, o poder do homem em sua sensibilidade de se transmutar em metáfora... Belos e bem escritos poemas, Giorgio. Obrigado pelas palavras, pela visita. Grande abraço.

    ResponderExcluir