quarta-feira, 22 de setembro de 2010

POR TER LIDO PIGNATARI


 













CIRANDA

Às vezes esqueço que escrevo:
apenas ando, apenas vejo.

Às vezes esqueço que dirijo:
apenas piso, apenas freio.


Quando esqueço que dirijo.
 anvejo,

Quando esqueço que escrevo.
 pisfreio.

Tudo começa outra vez.



domingo, 12 de setembro de 2010

Haicais num domingo de ventos anunciando chuva!


I
desenham bem
a sombra das pedras
faces do abismo

II
dentro do tanque
o vulto do sapo some
água sem rãs

III 
( Para Mayrant Gallo)

dentro dos olhos
algumas moscas guardam
iluminados planetas
    
                                          
IV
o amarelo do chão
colorindo o verão
balé de ipês

V
curva do caminho
insistindo na trajetória
uma sombra atrasa

VI
pousa sobre o poste
alguns pássaros, e a morte
emaranhado de fios

VII
folhas secas
anunciando outono
caminham lentas

VIII
na água suja do rio
agulhas brancas pousam
garças que  pescam

XIX
baila ela, a chuva
do vidro sujo da janela
o olho, apenas  espera

X
água clara do aquário
pequeno peixe nada
solitário

 IMAGEM: freepublicdomain.com

domingo, 5 de setembro de 2010

X Haicais escritos agora.

I
entre as mãos
um mar de lembranças
migalhas de pão

II
a tarde despenca,
o sol, agora pouco arde
nas folhas de avenca

III
ainda há pássaros
vagando entre sombras
vida por entre os galhos

IV
o mesmo prato
observa tua imagem, nua
cheia e alta a lua

V
é domingo
a sombra de algum prato
ante os olhos do gato

VI
no mundo aberto
lá fora, aflora, sem pressa
a pitangueira

VII
ouço os pios
o som das asas vem
pássaros anunciam a noite

VIII
dois planetas
os olhos da minha filha
negros glóbulos

XIX

chove na tarde
algumas gotas voam
pousando em tua boca

X
pesam os olhos
infinitas estradas distantes
partículas de poeira