quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Poesia, e porque não?


RÍTMO

No hemisfério de cada gota
Um súbito oceano
Sobre as voltas de mínimas orbitas

No chão correm
Como se tangessem uma invisível
Boiada de silêncios

5 comentários:

  1. Extraiste um belíssimo ritmo dos versos. Sua poesia transforma em gigante aquilo que a nós parece minúsculo. Coisa de poeta!

    Parabéns, Georgio!

    ResponderExcluir
  2. Lindo, Georgio!

    Parabéns! Hoje é o Dia do Poeta!

    à você e à sua poesia, minhas reverências.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. Pude sentir a chuva regeneradora (que não vejo há meses!).
    Beijo

    ResponderExcluir