sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Poema, som e silêncio!











SONATA

Como na calva das nuvens
Desabam em atrevidos trinados
Afinados bem-te-vis

Na sinfonia dos galhos
Sustenidos pardais
Trinam em suave conversa

Folhas invadem a janela
Há luz em meu quarto infestado de bemóis.



6 comentários:

  1. Uma bela manhã para um belo poema.

    abraço

    ResponderExcluir
  2. Georgio!

    Uma sonata e tanto no meio da tarde. Despertou-me.

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. É bom acordar e ler uma coisa dessas. A beleza que não tem na minha janela, tem nesse poema.

    ResponderExcluir
  4. adorei o texto. tem uma musicalidade e uma doçura q comove. é tão lindo qdo a simplicidade pode ser alcansada com verdade em um texto. Creio q a beleza reside nas coisas simples. Acho q é por isso q seus textos são tã bons.

    abraços

    ResponderExcluir