domingo, 27 de fevereiro de 2011

Silêncio!





CAELLUM

Hoje só o silêncio,
este vinho,
incômodo e amargo basta.
 
Basta esta luz
impune que rompe
a escuridão dos olhos
em busca de alguma calma.

Calma que envolve
a calva,
cosntrução de clareiras.

Clareiras,
caldeiras que fervem
as nuvens e os céus
em plena expansão de azul.



4 comentários:

  1. Belíssimo, Georgio!

    As clareiras tem um grande significado filosófico, e nesse seu poema elas clamam pelo silêncio!

    Adorei!

    Beijos, poeta!

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo poema! Continue a escrever e a encantar

    ResponderExcluir
  3. Silêncio de ouro: essa poesia nos transporta!!!

    ResponderExcluir
  4. medida

    um silêncio de algo que está sendo não dito, diferente do silêncio de nada estar sendo dito, do silêncio carregado de si mesmo, do silêncio de tudo estar sendo dito. um é poder, outro é apatia, outro é autonomia, outro é pacto. o silêncio é um alfabeto dificílimo. não há dicionário nem método para aprendê-lo. para se comunicar com um silêncio a língua de acesso é o tempo e, com sorte, o olhar. falar atrapalha. diante de alguns silêncios é preciso tomar cuidado. outros não querem cuidado nenhum. para uma hermenêutica do silêncio, a melhor medida é respirar.

    Noemi Jaffe

    ResponderExcluir