quarta-feira, 11 de maio de 2011

Poesia, um mar que nos carrega



I
Tenho sentido a dor do nada faltar
tenho as águas do mar
lavando a entranha
conheço a força tamanha
do dentro de dentro da pedra

tenho os olhos frágeis de uma erva
que verdeja zombando de algum sol.
II
Componho uma sinfonia de chamas
na aquarela do céu
pássaros em carrossel
pareiam os fios da tarde

passeiam nas tardes de fotos
onde a chuva dita o gran finale!

3 comentários: